É PRECISO TAPAR OS BURACOS DOS RATOS – Rubem Alves

18 03 2010

O nome do filme, acho que era “Queijo Suíço“. O Gordo e o Magro estavam sem emprego. Precisavam ganhar dinheiro. Ouviram que a Suíça era um país famoso pelos seus queijos. Pensaram: “Se na Suíça há muitos queijos é lógico que lá deverá haver muitos ratos. Mas ninguém gosta de ratos. E, em especial, os fabricantes de queijos devem odiar os ratos. Se não gostam dos ratos é lógico que a Suíça deve ser um excelente mercado para matadores de ratos.“ Tomaram, então, uma decisão: “Vamos matar ratos da Suíça“.

Puseram-se, então, a pensar sobre a tecnologia adequada para matar ratos. Consultaram a bibliografia disponível. Leram sobre um famoso matador de ratos imortalizado pela literatura: um flautista! Aconteceu na cidade de Hamelin que havia sido tomada por milhões de ratos. Eram tantos que gatos e ratoeiras eram inúteis. Pois o dito flautista se livrou deles de uma forma insólita: pôs-se a tocar uma flauta e os ratos, amantes da música, foram hipnotizados, saíram de seus buracos e puseram-se a segui-lo por onde ia. Ele, então, simplesmente entrou no rio que passava pela cidade tocando sua flauta. Os ratos, esquecidos de que não sabiam nadar, entraram também no rio, foram levados pela correnteza e morreram.

Mas o Gordo e o Magro não sabiam tocar flauta. Assim, deixaram de lado essa tecnologia musical. Pensaram em usar ratoeiras para matar os ratos. Mas os ratos são espertos. Logo eles aprendem sobre as ratoeiras e não mais caem na armadilha mortal. Examinaram, depois, a possibilidade de usar gatos. Mas os gatos logo se tornam um problema. Multiplicam-se com rapidez idêntica à dos ratos e tornam-se uma peste pior que os ratos, tal como aconteceu no palácio do rei. Além disto, depois de comer todos os ratos a fome dos gatos não cessa e eles passam então a devorar pássaros, que todos amam por sua beleza e canto. Na ausência dos ratos, sabiás, pintassilgos, canários, rolinhas, pombas e curruiras passam a ser a comida diária dos gatos.

Descartadas flautas, ratoeiras e gatos, o Gordo e o Magro pensaram: é tolice tentar acabar com os ratos depois que eles entram no quarto dos queijos. O certo é impedir que eles entrem no quarto dos queijos. Mas eles só entram no quarto dos queijos se houver buracos. Ora, se os buracos forem tampados eles não poderão entrar. Não entrando, os queijos não serão comidos. Concluíram, então, que a eliminação científica dos ratos se consegue por meio de uma técnica baseada na dialética entre buracos abertos e buracos tampados.

Munidos dessa nova técnica bateram à porta da primeira fábrica de queijos e ofereceram seus serviços. O dono ficou encantado porque havia muitos ratos a comer os seus queijos. O Gordo e o Magro se puseram a trabalhar. A primeira coisa que fizeram foi tirar de sua caixa de ferramentas uma pua grossa com a qual fizeram um buraco redondo no assoalho do depósito dos queijos. O dono da fábrica lhes perguntou: “Para que esse buraco?“ Responderam: “Para os ratos passarem!“ A seguir, tiraram da mesma caixa de ferramentas um tarugo de madeira com o qual tamparam o buraco que haviam feito. “Para que esse tarugo de madeira no buraco?“ perguntou de novo o dono da fábrica. E eles responderam: “Para os ratos não passarem…“

Não me lembro do final do filme. Mas sei que o Gordo e o Magro estavam certos: para acabar com os ratos é preciso tampar os buracos por onde entram.

Aí eu me perguntei: “Mas quem é que faz os buracos pelos quais os ratos entram no quarto dos queijos?“

A resposta é simples: os ratos entram no quarto dos queijos porque nós, cidadãos, fazemos os buracos. Os ratos estão lá por culpa nossa. Os buracos através dos quais os ratos entram são os nossos votos. Os ratos entram no quarto dos queijos democraticamente…

É fácil fazer um regime com votos e eleições. Votos e eleições dão a impressão de democracia… Mas não bastam para impedir a invasão dos ratos. Votos e eleições são apenas meios – necessários mas não suficientes – para que a democracia aconteça. A democracia se assemelha a uma obra de arte. Tome a Pietà, por exemplo. Ela não é o resultado de cinzéis e martelos, embora cinzéis e martelos tenham sido usados por Michelangelo para esculpi-la. Mas, antes que cinzéis e martelos fossem usados, foi necessário que a idéia da Pietà tivesse surgido na cabeça de Michelangelo. Os cinzéis e martelos foram apenas os meios usados pelo artista para realizar sua idéia. Assim é a democracia: ela é uma obra de arte coletiva. Começa com as idéias do povo. Votos e eleições são meios para que o pensamento do povo se realize.

Aqui se encontra a delicadeza e fragilidade da democracia: para que ela se realize é preciso que o povo saiba pensar. Se o povo não souber pensar, votos e eleições não a produzirão. A presença dos ratos na vida pública brasileira é evidência de que o nosso povo não sabe pensar, não sabe identificar os ratos… Não sabendo identificar os ratos, o próprio povo, inocentemente, abre os buracos pelos quais eles entrarão.

Mas, o que é que ensina o povo a pensar? É a educação. O fundamento da democracia é a educação do povo.

Os presença dos ratos na vida política brasileira, sendo evidência de que o nosso povo não sabe pensar é, assim, evidência também de que nossas instituições de educação e ensino não cumpriram a sua missão mais importante que é a de ensinar o povo a pensar. Ensinar o povo a pensar: isso não se identifica nem com a transmissão de conhecimentos e nem com a produção de pesquisas.

É hora de perguntar: o que há de errado com a educação no Brasil? Se a educação não cumprir a sua missão o povo não aprenderá a pensar e estaremos condenados a conviver permanentemente com os ratos. E, infelizmente, não é possível chamar o Gordo e o Magro para tapar os buracos por onde os ratos entram…

(Folha de S. Paulo, Tendências e Debates, 18/06/2001)


Ações

Information

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: